Da Crise à Retomada

abr 8, 2020 Liderança e Gestão

Como sobreviver à crise e sair mais forte!

A retração da economia no Brasil, decorrente do CORONAVIRUS, está apenas começando. O pico da pandemia ainda não chegou e deve chegar por aqui em meados de junho, com duração até o final de julho, quando a curva de tendência deve começar sua inversão e, então, as atividades econômicas começarão a retomar. As empresas que conseguirem sobreviver até lá, terão a oportunidade de sair mais fortes e mais competitivas.

Como temos tratado em nossos artigos e no contato direto com nossos clientes e parceiros, a demanda de consumo não foi extinta, está sufocada.

Também é importante considerar que, possivelmente uma parcela de nossos potenciais clientes terá dificuldades em continuar consumido em função de desemprego ou perda real de renda. Esse fator é importante para revisar nossas condições comerciais e oferta de produtos, considerando melhores condições.

A tendência é que a recuperação do consumo inicie a partir de agosto. Em algum momento a partir daí, as empresas vão experimentar o que chamamos de efeito chicote.

Esse efeito ocorre quando um fator externo afeta pontualmente a demanda, positiva ou negativamente e, logo em seguida existe uma normalização. No caso, devemos ter efeitos fortes, pontuais de retomada, que irão pressionar as capacidades instaladas, a produtividade e a capacidade de distribuição e entregas.

As empresas chinesas já estão experimentando esse efeito a partir de agora e, a questão que se coloca é, como nossas empresas devem se preparar para quando esse efeito chegar ao Brasil.

Como escrevemos em artigo anterior, este é um excelente momento para as empresas reescreverem suas histórias e, especialmente agora, é hora de tomar algumas decisões que irão impactar os negócios imediatamente e mais à frente.

  1. Controle as finanças – faça uma análise completa e detalhada dos custos, do fluxo de caixa. Faça projeções com cenários pessimistas e otimistas para as vendas começarem a retomar. (30, 60, 90 dias), o que vai acontecer com nosso negócio em cada um dos cenários? Tome as decisões corretas para manter a saúde financeira para o pior cenário.
  2. Entenda o impacto futuro daquilo que está fazendo agora – ao tomar decisões de redução de custos ou de capacidades, saiba exatamente como estas decisões irão afetar sua capacidade de reação no futuro e projete, dentro de um cronograma factível, o momento que deverá começar a se movimentar e recuperar aquelas capacidades para que, quando a demanda voltar, possa reagir rapidamente.
  3. Esteja próximo dos seus Clientes – Converse com eles. Eles ainda estão precisando de você e, mantê-los é mais simples que conquistar novos! Muitos empresários, nesse momento, avaliam o seu negócio como existia até hoje, com seus produtos mais vendidos e aqueles que não tinham tanta procura. Uma empresária dona de  uma loja de óculos estava pessimista, pois, óculos de grau e de sol teriam sua demanda reprimida e a loja deveria ficar fechada. Em nossas conversar identificamos um produto que não é o carro chefe da empresa, mas que tem uma necessidade crescente: os óculos de segurança. O desafio passa a ser, como fazer chegar estes produtos aos clientes antigos e pasmem”, novos clientes!!!
  4. Revise os Canais de vendas e de relacionamento – a tecnologia veio para ficar e precisa ser uma aliada das empresas. Nunca mais o comércio será como era antes da crise. Novas janelas foram abertas e, quem souber aproveitar e incorporar em seu modelo de negócios terá uma vantagem na retomada. Cursos online, delivery, entre outras formas, certamente passarão a ser recorrentes e poderão compor uma fatia importante do seu negócio. Pense nisso! É possível que os novos formatos e novos produtos, possam manter minimamente sua empresa durante a crise! Vá para cima! Crie novas receitas!
  5. Seja transparente com sua equipe – também em outro artigo que escrevi, trouxe o exemplo de Jack Welch para dentro das empresas, nos momentos de crise. Seja transparente com os colaboradores. Coloque-os junto com você. Veja o que têm a dizer. Reconheça boas ideias e coloque em prática, mas, avalie rápido se funcionam ou não. Agilidade para testar também será fundamental. Sua empresa sairá mais forte com uma equipe engajada para a nova etapa.

A i2p Consulting pode auxiliar você a sua empresa a construir esse novo processo, controlar o momento e organizar as armar para o momento correto de acelerar. Fale com a gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *