Industria 4.0. E daí, por onde começar?

  • Home
  • /
  • Industria 4.0. E daí, por onde começar?

By i2p / 27 de maio de 2018

Um tema que começa a aparecer em debates atuais no Brasil é a Indústria 4.0 e como ela poderá revolucionar a forma pela qual as empresas fazem negócios. O termo 4.0, assim definido faz uma referência à 4ª Revolução industrial pela qual estaríamos passando com a ideia das chamadas Fábricas Inteligentes que reúnem inovações tecnológicas em automação e conceitos como:

  1. Robotização: o avanço da automação onde robôs terão maior capacidade de interação com máquinas e humanos;
  2. Manufatura aditiva: introdução da tecnologia das impressoras 3D aumentando muito a velocidade de introdução de novos componentes a partir de projetos com alta precisão e sem a necessidade de construção de moldes;
  3. Simulação: assim como já existem diversos simuladores como os de voo, simuladores passarão a reproduzir situações ainda não vistas aumentando a assertividade, reduzindo falhas e otimizando custos em novos projetos;
  4. Integração Vertical e Horizontal da cadeia de valor:  processos monitorados por sistemas supervisórios dentro das plantas para reagir de maneira rápida às variações e autocorreção (horizontal); fabricas, fornecedores, distribuidores e pontos de venda interligados de forma a reagir rapidamente às variações de demanda e preferências do consumidor;
  5. A internet das coisas ou “Iot”:  hoje já existem diversos dispositivos conectados que permitem antecipar às necessidades do consumidor e esta tecnologia, aplicada a praticamente todos os dispositivos permite reduzir a distância entre a necessidade e a realização. Dentro de um ambiente fabril significa reduzir custos com manutenção e melhoria de confiabilidade dos processos e consequentemente eficiência e produtividade;
  6. Big data Analytics: hoje fazemos testes no facebook sobre por exemplo qual é a minha alma gêmea ou que super-herói eu seria, etc. Todas as informações hoje disponibilizadas criam um grande banco de dados, o chamado Big Data cuja a análise (Analytics) permite que as empresas, governos, enfim, quem se disponibilizar a utilizar deste recurso, conhecer exatamente preferências, perfis e desejos das pessoas e a partir de então oferecer exatamente o que o indivíduo precisa ou deseja. Já fez uma pesquisa na internet sobre preços de notebook? Colocou a configuração desejada? O que aconteceu depois? Imagino que seus e-mails, redes sociais e internet passaram a lhe mostrar promoções, opções de notebooks, o que antes não apareciam, coincidência?
  7. Armazenamento nas nuvens: todos já ouvimos falar ou já utilizamos sistemas de armazenamento nas nuvens nos diversos dispositivos que dispomos. O armazenamento de dados nas nuvens traz um novo paradigma de quanto se poderá agregar de dados para utilizar nos negócios ou, ainda, sobre a segurança de armazenar dados nestas condições ou nos tradicionais servidores;
  8. Realidade aumentada: já vimos em filmes como o Homem de Ferro os painéis holográficos do Sr. Stark controlando e vendo coisas a distância, ou, ainda, algo mais simples, a febre dos jogos do pokemon go. São exemplos de realidade aumentada. Sua aplicação já aparece nos dias de hoje em apartamentos virtualmente decorados, e será uma ferramenta de grande utilização para se prever cenários sem a necessidade de projetos piloto;
  9. Inteligência artificial: equipamentos e processos capazes de aprender e se auto ajustar a um parâmetro específico. A iBM anuncia o Watson como uma tecnologia revolucionária capaz de armazenar, compilar milhões de informações e poder dar um diagnóstico preciso sobre algo como uma doença a partir de uma série de informações ou exames laboratoriais.
A questão que se coloca aqui é, como minha organização pode beneficiar-se de tudo isso? Como as pessoas irão se integrar à nova realidade? Antes de se buscar simplesmente para não ficar para trás iniciar a jornada rumo à Indústria 4.0 é necessário avaliar o momento atual de sua empresa e como esta jornada poderá trazer benefícios no curto, médio e longo prazos. Construir um diagnóstico considerando as estruturas atuais e fazer a ligação com as estratégias de longo prazo são um bom começo que permitirão à organização beneficiar-se desde o início de ganhos que alimentarão a jornada para novos ganhos como combustível para seguir a Jornada. Seria como uma nave espacial que precisa produzir o seu próprio combustível para seguir sua Missão. O que hoje já é automatizado? O que automatizar? Que resultados isso pode trazer? Da mesma forma, existem componentes no meu processo que se fossem produzidos através da modelagem 3D encurtariam prazos de lançamento e melhorariam a performance dos meus negócios? Quais seriam recomendados? Da mesma forma, simuladores, sistemas supervisórios, investir na integração da cadeia de valor, big data, internet das coisas, enfim, o que faz sentido no meu negócio? A i2p Consulting está a sua disposição para auxiliar no diagnóstico e no apoio nesta jornada rumo à excelência. e-mail: contato@i2p.com.br

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *